O bebê britânico, Charlie Gard, afetado por uma rara doença genética, morreu nesta sexta-feira (28), segundo informações da mãe. O caso do recém-nascido foi alvo de debates pelo mundo e de uma batalha legal e despertou controvérsia entre as pessoas. Gard morreu a uma semana de cumprir seu primeiro ano de vida.

“Nosso menino maravilhoso se foi, estamos tão orgulhosos de ti, Charlie” disse Connie Yates, a mãe do bebê, depois de que os médicos retiraram o aparelho de assistência respiratória que o mantinha vivo.

Connie Yates e Chris Gard travaram uma batalha judicial para poder levar Charlie aos Estados Unidos, a fim de submetê-lo a um tratamento experimental.

Após perder várias apelações, o casal levou o caso ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, onde também perdeu.

Na última semana, o hospital britânico onde o bebê estava internado anunciou que tinha tido novas informações sobre o tratamento e pediu que a Justiça reexaminasse o caso.

Na segunda-feira passada, os pais se deram por vencidos, após constatarem que “o tempo acabou” e que não era mais possível reverter o quadro do seu filho.

A família chegou a arrecadar 1,75 milhão de dólares para sua batalha legal e médica.

Os pais queriam que Charlie passasse seus últimos dias em casa, mas o hospital recusou o pedido, argumentando que não poderia oferecer ao bebê cuidados 24 horas por dia na residência dos seus pais e que “o aparelho de ventilação artificial não passaria pela porta de entrada”.

 

Fonte: Acrítica

Deixe uma resposta