ArtBrasil apresenta espetáculo “Quem Casa, Quer Casa” no  Teatro Amazonas

Nesta sexta-feira, 18/8, o Teatro Amazonas será palco da comédia ‘Quem Casa, Quer Casa’, obra de Martins Pena, com assinatura da Associação Art Brasil. A apresentação será às 20h e os ingressos custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia), com classificação livre.

O espetáculo “Quem Casa Quer Casa” foi contemplado com o Prêmio Manaus de Conexões Culturais 2015, da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult). Segundo a atriz e diretora, Ana Cláudia Motta, a montagem é uma viagem do Brasil Império ao século 21. 

“Essa viagem começa no Brasil Imperial da metade do século 19 com unidades familiares sólidas e religiosas, comportamentos e costumes rígidos e passa pela divertida e irreverente década de 80 com suas cores, roupas e acessórios espalhafatosos, com personagens ícones das novelas, recaindo na atualidade, amparada por um mundo tecnológico e globalizado”, explicou Ana.

Um dos pontos principais da peça são as músicas escolhidas na provocação das mudanças de tempo, junto com divertidas coreografias estilizadas que foram inspiradas nos mais famosos sons e clipes das épocas.

[media_image image=”{‹²›attachment_id‹²›:‹²›1724‹²›,‹²›url‹²›:‹²›//amazonassemcensura.com.br/wp-content/uploads/2017/08/espetculoquemcasaquercasarfotol6419739682.jpg‹²›}” width=”300″ height=”200″ link=”” target=”_self” _array_keys=”{‹²›image‹²›:‹²›image‹²›}” _fw_coder=”aggressive” __fw_editor_shortcodes_id=”4a630e8392da2f81de39365a10ceb2f0″][/media_image]

A peça, segundo Ana, traz uma caracterização fiel das épocas retratadas. “Tudo isso acontece sem que o conflito central da disputa de espaço, poder dentro de um ambiente onde vários núcleos familiares convivem por falta de condições de moradia, seja minimizado ou esquecido, muito pelo contrário, a plateia se reconhece ou reconhece o outro, dentro de uma problemática que atravessa os séculos, pois quem não conhece o ditado ‘Quem casa quer casa?”, indagou Ana. 

O espetáculo conta a historia de uma família: Fabiana é mãe de Olaia, que se casou com Eduardo. Há também Sabino, que se casou com Paulina, e ambas, por falta de condições financeiras, foram morar na casa da mãe com os esposos. Na trama, Paulina, nora de Fabiana, de personalidade forte, quer mandar na casa mais que a sogra, e o genro Eduardo, de ideias mirabolantes de ser um grande tocador de rabeca/violino, passa o dia todo tocando ao invés de procurar trabalho. Não demora muito para que a convivência vire um inferno. O marido de Fabiana, Nicolau, só se dedica à igreja, não exerce o pulso firme de um patriarca.

Ingresso na bilheteria do teatro. 

Fonte: ASCOM, Manauscult.

Deixe uma resposta