A equipe de Juliette do “BBB 21” se manifestou sobre os ataques racistas que a filha de Pocah sofreu, depois que a cantora brigou com a paraibana no reality show. Após a discussão entre as sisters, que têm rolado desde a noite de domingo, a equipe da funkeira denunciou que várias pessoas mandaram mensagens preconceituosas para a filha da cantora, a pequena Vitória, de apenas 5 anos.

“Vimos depoimentos de ódio e racismo envolvendo uma criança que nada tem a ver com o BBB, nem com qualquer desentendimento entre as sisters (…) Racismo é crime. É inaceitável que em 2021 isso ainda seja uma terrível realidade”, defendeu a equipe de Juliette, em comunicado publicado na tarde de hoje, nas redes sociais da advogada. Os administradores dos perfis da paraibana disseram que alguns agressores estão tentando se passar por membros da torcida de Juliette para envolvê-la no caso. “É lamentável, ainda, os inúmeros prints que recebemos, não apenas ontem mas como em todos esses mais de 80 dias, de pessoas combinando se passar pela torcida de Juliette para ofender os outros.

Caso de polícia A nota diz ainda que os advogados da paraibana estão analisando as ofensas tanto contra a filha de Pocah, como contra a paraibana. Ronan Souza, noivo da funkeira, inclusive, já avisou que irá registrar as agressões contra a enteada na polícia. O pai de Vitória, o MC Roba Cena, também lamentou as agressões contra a filha. “Sabemos que em todas as torcidas têm pessoas que, infelizmente, agem de má-fé, com ódio e preconceito, e nós repudiamos qualquer cacto que faça isso, pois jamais representará Juliette e nossa equipe. Mas tem coisa que foge à liberdade de expressão e vira discurso de ódio”, defendeu a equipe de Juliette.

Com Informações UOL NOTÌCIAS

Deixe uma resposta