A Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) vai manter cirurgias eletivas oncológicas, ortopédicas e cardíacas, além da manutenção de procedimentos que possam causar dano permanente ao paciente, em caso de adiamento. As cirurgias eletivas não urgentes serão adiadas preventivamente, durante o pico da Covid-19 no estado.

A decisão foi baseada em nota técnica conjunta entre a SES-AM e a Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM), sobre a segurança do paciente. A resolução com a decisão foi publicada no Diário Oficial do Estado do Amazonas (DOE) ontem (7) e passa a valer a partir da publicação e enquanto durar o pico epidêmico.

A iniciativa de manter os procedimentos oncológicos, ortopédicos e cardíacos visa não prejudicar tratamentos importantes e, ao mesmo tempo, oferecer uma condição segura para equipe e paciente, conforme explicou o secretário da SES-AM, Marcellus Campêlo.

“Essas doenças não param de evoluir se você não fizer um procedimento. Então, são cirurgias que não podem ser adiadas com o risco de agravar a situação do paciente. O câncer você sabe que ele evolui, então, precisa ter as cirurgias. As emergências e urgências continuam acontecendo”, reforçou o secretário.

A nota técnica estabelece uma série de orientações para as equipes de trabalho cirúrgico sobre triagem, fluxo de atendimento, estratégia de otimização da agenda, higienização e uso de máscara, entre outros.

“Quanto à nota técnica em conjunto com a FVS, a FVS estabelece o fluxo, para que isso aconteça de forma segura. Então, é uma nota técnica que estabelece como deve ser feita a triagem, a testagem, como deve ser feito esse procedimento necessário para dar essa orientação geral para rede em relação a essas cirurgias eletivas”, detalhou Campêlo.

Adiamentos – Em razão da pandemia, para concentrar esforços no combate à Covid-19, as demais cirurgias não urgentes serão adiadas preventivamente. Outros estados, como Rio de Janeiro e Paraná, também já haviam adotado tal medida por conta do recrudescimento da Covid-19 no país.

O adiamento de alguns procedimentos eletivos ocorre em consonância com a recomendação do Conselho Regional de Medicina (Cremam) nº 02/2020, que discorre sobre o adiamento de cirurgias e procedimentos invasivos-eletivos de pacientes com doenças benignas.

A resolução do órgão também propõe a suspensão temporária de cirurgias em pacientes com fatores de risco com idade superior a 50 anos, hipertensos, diabéticos, cardiopatas, pneumopatas, renais crônicos e tabagistas.

No caso dos procedimentos adiados, os recursos humanos e materiais envolvidos serão liberados e redirecionados para o enfrentamento da emergência de saúde pública, em razão da pandemia por Doenças Infecciosas Virais (Covid-19)

*Com informações da assessoria

Deixe uma resposta